Curioso Quadro Resumo da História do Mundo

Pausa para apresentar um curioso e interessante material de geografia e história. Acima apresento um “Histomap”, criado por John B. Sparks, que foi primeiramente impresso por Rand McNally em 1931. (A coleção de David Rumsey hospeda uma versão totalmente ampliável aqui). Ele também foi apresentado no Blog Mundialíssimo aqui.

Este mapa gigantesco e ambicioso se encaixava perfeitamente com uma tendência dos anos 1920 e 1930 , de retratar e sintetizar grandes temas (a história do mundo, toda escola de filosofia, toda a física moderna, entre outros) de forma compreensível para o cidadão comum da época.

O Histomap foi vendido por US $ 1 e dobrado em uma capa verde , e contou com endossos de historiadores e revisores. O gráfico foi anunciado como “claro, vívido e desprovido de elaboração”, enquanto ao mesmo tempo capaz de “segurá-lo encantado“, apresentando “A imagem real da marcha da civilização, das cabanas de lama dos antigos através do glamour monárquico da Idade Média ao panorama vivo da vida na América do presente.” A carta usa cores e espaços para mostrar como o poder de vários “povos”  evoluiu ao longo da história.

Não está claro no mapa o significado da largura dos fluxos coloridos e nota-se que Sparks sintetizou a história mundial como um jogo de soma zero, e o seu tamanho (1 metro e meio) mostra o tamanho da caminhada do homem no planta terra, em que povos e nações competem a milhares de anos por terras e recursos finitos.

Anúncios

A Degradação da Terra e do Homem

O que estamos presenciando são verdadeiras catástrofes em todo o mundo. Furações, terremotos, erupções, inundações, altas temperaturas, secas, em uma freqüência e intensidade cada vez maior.

De acordo com a ONU, o número de catástrofes naturais vêm aumentando nos últimos trinta anos numa taxa média anual de 6%. As mortes também, em 2008 o número de mortes em desastres naturais em todo o mundo ficou próximo dos 235 mil pessoas (ONU). Neste ano, em apenas um desastre, no terremoto que atingiu o Haiti, estima que morreram mais de 200 mil pessoas.

Além da problemática, chamada HOMEM, por assim dizer, realizada diretamente pela ação antrópica (não que nos casos acima citados, não tenham interferência humana). A violência, o terrorismo e as guerras, são alguns exemplos desses problemas. Na atualidade existem cerca de 14 guerras no mundo, motivadas por divergências religiosas, políticas, pela economia, pela etcnia, entre outros motivos.

Ressalto ainda o problema da poluição (hídrica, atmosférica…) e a falta de água potável. A ONU prevê que em 2050 mais de 45% da população mundial não poderá contar com a porção mínima diária de água. Nós moramos em um país fartamente servido de água, certo. Porém, a pergunta é: Em que condição estará essa água?

Tudo isso até  agora não me assustou, ou não me surpreendeu. Até no momento quando soube de outros dois acontecimentos paralelamente ocorridos em dois desastres.

1º – Terremoto do Haiti: depois do grande terremoto que atingiu o país, a justiça agora investiga casos de seqüestro de crianças, ocorridos logo após o terremoto. Possivelmente, esses menores seriam colocados no trabalho escravo.

2º – Enchente na região de Machu Picchu: Turistas que estavam presos devido a enchente, passaram fome, a pouca comida que havia nos estabelecimentos, era um preço até 4 vezes maior. Também passaram frio, dormiram nas ruas (pousadas estavam caríssimas), e até mesmo os papelões usados para dormirem na rua, era muito bem cobrado.

Agora sim, fiquei chocada. No que o ser humano se tornou? Cadê a compaixão, a solidariedade, a amizade ou qualquer sentimento bom?

Chegamos mesmo no fim dos tempos? “nos últimos dias sobrevirão tempos penosos; pois os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpios, sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus…” II Timóteo 3:1-5.

Na minha opinião  sim, ou pelo menos muito, muito perto desse tempo. Afinal, a ciência nos diz que o mundo vai acabar, se não fizermos algo, e verdadeiramente não acredito nessa inversão de rumo. A Bíblia revela que o mundo está acabando.

A palavra que nos resta: Esperança.

Geógrafa: Alessandra Dias de Oliveira